Postagens

Mostrando postagens de Março, 2019

BIRRA OU MANIFESTAÇÃO DOS SENTIMENTOS?

Imagem
Se toda manifestação de incômodo ou desejo profundo é taxada de birra, pirraça, e se a birra é vista como algo ruim, então a criança aprende que não pode ter raiva, sentir frustração ou desejar as coisas. Vamos conversar um pouquinho sobre essa frase? Eu percebi e sinto que todas as manifestações da criança que envolvem sentimentos tidos como negativos, como frustração, raiva, contrariedade e tristeza, normalmente, nos causam incômodo, nos tiram do nosso eixo e ficamos até sem saber como agir. Dessa maneira, ficamos buscando uma solução definitiva para que a criança nunca mais tenha reações nesse sentido. Aí eu me pergunto: podemos ter esse tipo de expectativa? Como os adultos manifestam os sentimentos e o que isso tem a ver com a birra Se olharmos para nós, adultos, perceberemos que também manifestamos nossos incômodos de várias maneiras. Depois que viramos adultos, não podemos dizer que viramos “zen”; também sentimos raiva, medo e outros incômodos,

AÇÚCAR ANTES DOS DOIS ANOS, NÃO! MAS POR QUÊ?

Imagem
AÇÚCAR ANTES DOS DOIS ANOS, NÃO! MAS POR QUÊ? Ao contrário do que afirmam os palpiteiros de plantão, não é chatice ou frescura das mães que sabiamente optam por não oferecer açúcar antes dos 2 anos para os seus bebês é recomendação oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde), do Ministério da Saúde e de outros órgãos oficiais. Essa restrição inclui: petitsuisses, sucos artificiais e de caixinha, biscoito maisena, doces em geral, refrigerantes e até farinhas engrossantes. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Vamos entender os motivos? Principalmente até os 2 anos de idade a criança está em processo de formação de hábitos e tende a "acostumar" o paladar ao extremamente doce o que frequentemente faz com que os pequenos passem a rejeitar outros sabores. Por ser uma caloria vazia (zero nutrientes) há um maior risco de desenvolvimento de sobrepeso/obesidade na infância que predispõe a se manter na vida adulta. Além de aumentar a chance de ocorrência de doenças como diabetes, hipe

BULLYING

Imagem
O bullying sofrido durante a infância e a adolescência pode deixar marcas até a vida adulta. Esta situação cria marcas por muito tempo na vida adulta e agrava problemas ligados a saúde, classe social e relacionamentos, tanto nos que praticam o bullying como naqueles que sofreram o bullying. Como problemas de saúde, dificuldades sociais, consumo de substâncias, ansiedade, depressão, mau desempenho escolar e baixa estima. Quando cresce a criança aprende a lidar com os problemas de relacionamentos ou as praticas de bullying. Porém, estudos mostram que sofrer bullying precocemente   e de forma contínua faz com que, ao longo do tempo, a criança deixe de enfrentar a situação. É como se aceitasse ser vitimizada. Ficando apática ao que acontece ao seu entorno. Toda criança convive com situações desafiadoras, como exposição a críticas, mas o problema é quando isso extrapola. As consequências a longo prazo podem ser tanto dificuldades escolares quanto impacto nas relações interp

VOLTA ÀS AULAS – O QUE NÃO PODE FALTAR NA LANCHEIRA?

Imagem
Com o retorno das aulas, uma dúvida vem à cabeça das mães, “o que enviar na lancheira do meu filho?” Talvez alguns não deem tanta importância para o assunto, afinal é apenas um lanche, não é mesmo?! Mas deixa eu te contar um segredo, o lanche escolar é tão importante quanto uma refeição “de casa”, é realizada pelo menos cinco vezes na semana – isso é rotina, e rotina forma HÁBITO! Um lanche equilibrado e nutritivo é fundamental para auxiliar na concentração e aprendizado dos pequenos. Ensinar nossos filhos a fazer boas escolhas alimentares é nosso papel e tudo começa com o que permitimos entrar em casa. Como mãe, eu sei que preparar algo fresquinho todos os dias naquele corre-corre que antecede a ida à escola é quase impossível, mas se tivermos PLANEJAMENTO e usarmos algumas ESTRATÉGIAS, não caímos na tentação de enviar tudo industrializado. Para o planejamento é essencial saber a composição ideal.  U ma fruta (ou legume), fonte de fibras, vitaminas e mi

O CARNAVAL E A CRIANÇA INTERIOR

Imagem
Como é a sua história com o carnaval? Você se fantasiava, curtia e se divertia ou você preferia ficar vendo tudo pela TV? Você é da época que brincava nos bailinhos e matinês dos clubes ou que não suportava nem ouvir falar dos desfiles? Como a sua criança interior vive o carnaval? Como você se conecta com a alegria, diversão, dança que esta data trás? Parte do nosso interesse pelo carnaval, e a forma como transmitimos esta comemoração aos nossos filhos está diretamente relacionada com a forma que experimentamos e vivenciamos o carnaval na nossa infância. Existem duas formas de transmitir esta experiência: repetindo o exemplo que tivemos ou repelindo! Isso vai depender de como esta experiência foi pra você! Seus pais curtiam o carnaval contigo? Você era vestida, fantasiada, maquiada para aproveitar? Você viajava, estava cercada das pessoas que amam, aproveitando tempo de qualidade juntos? Pare alguns minutos pra refletir. Tendo estas resp