PAIS PERFEITAMENTE IMPERFEITOS




Tenho pensado em como falar de Parentalidade Positiva sem o caráter da receita mágica para criar filhos felizes ou das ferramentas para resolver conflitos e ter crianças amorosas que cooperam. Até por que esse não é o propósito quando falo sobre uma forma positiva de educar e quando falo da importância de priorizarmos um desenvolvimento emocional saudável das crianças. E tenho percebido que precisamos ser cautelosos ao falarmos sobre formas de relacionamento entre pais e filhos e relações humanas de maneira geral. Sabe por quê?

Primeiro, porque é preciso respeitar a nossa humanidade. É preciso respeitar a história de cada pessoa que está aqui lendo sobre formas amorosas de educar as crianças e é preciso ter em conta o caminho que todos nós percorremos até aqui.  Segundo, por que cada um de nós recebe a teoria de uma forma diferente. Isso mesmo. A forma que eu interpreto uma ideia é totalmente diferente da sua. E é por isso que as coisas não acontecem da mesma forma para todo mundo. É exatamente sobre esta questão que eu quero falar neste post.

Ninguém consegue ser a materialização das teorias. Não existe a personificação da Disciplina ou da Parentalidade Positiva. Ninguém consegue seguir o passo a passo exatamente da forma como o livro coloca, por mais fiel que sejamos, vai ser sempre preciso encontrar a nossa maneira particular de agir, que pode se apresentar de diferentes formas igualmente respeitosas.

E quer saber o que é ainda mais importante do que conhecer e aplicar as teorias e as ferramentas que promovem um desenvolvimento saudável? É que para permanecer no caminho de uma educação positiva e respeitosa vai ser preciso uma coisa que pode ser dolorosa em alguns momentos, mas ao mesmo tempo também é libertador: explorar a nossa capacidade de perdão, de perdoar a nós mesmos pelos erros que cometemos e que iremos cometer nessa jornada linda de criar e educar filhos. Sobretudo por que há uma regra fundamental na Parentalidade Positiva, a de aceitação da nossa imperfeição.

Tentar ser muito mais do que a gente consegue pode ser frustrante. Fazer aquilo que nos é possível talvez seja o caminho que nos conforte, que nos redime e que faz inclusive, algumas vezes, ir além de onde imaginávamos conseguir. E é esse caminho que tenho tentado percorrer e ajudado outras pessoas a descobrirem. O caminho que sou capaz de percorrer, aquele que é coerente com a minha história e que condiz com a minha humanidade, com a minha subjetividade e imperfeição. 

E você tem tentado seguir que caminho?

Autoria: Ana Flora Medeiros

Psicóloga Clínica - CRP 13/6519

Especialista em Neuropsicologia

Pós Graduada em Parentalidade e Educação Positivas

Mestranda em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade de Coimbra

Idealizadora do Programa Online de Psicoeducação de Pais "Acolhedora de Pais"






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ADAPTAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL

TOQUE AFETIVO

A IMPORTÂNCIA DAS FÉRIAS PARA AS CRIANÇAS