VOCÊ FALA, FALA E NÃO ADIANTA... O LIMITE ENERGÉTICO!


Você fala, fala e não adianta...

Você se empenha ao máximo em executar com excelência técnicas de disciplina positiva, comunicação não-violenta e de outras linhas focadas em uma parentalidade mais positiva e – quando se percebe – está sufocada, frustrada, e muito mais irritada do que antes.

Você joga todas as “boas técnicas” para as cucuias, e impõe punição e castigo mesmo. Ficou sem recursos...

Você se vê sem forças para lidar com o problema.

O problema se tornou muito maior do que você. Intransponível.

Você desistiu. Deixou para lá.

Por um tempo.

Porque depois que recupera o fôlego, volta com tudo novamente. “Agora esse limite vai entrar de qualquer jeito”.

Nova frustração.

Novo ciclo.

E não termina.

Não resolve.

O limite não se estabelece de maneira nenhuma.

E a criança? Não está nem aí... Parece que não te escuta mesmo. Nem é com ela... (o que dá mais raiva em você, por sinal). “Mas então é essa criança que está com problema! Ela que não obedece. Que não aceita. Que não come. Que não dorme. Que não gosta de estudar. Que é agressiva. Que não respeita. É ela. Ela. Ela. O problema é ela.”

Lavo minhas mãos.
(hum... pausa)

Faltou você se aperceber de um aspecto.

Se a criança não está se adequando às regras ou limites que você está (frustradamente) tentando colocar, é porque faltou VOCÊ adentrar o SEU mundo interno.

Não é sobre ela.

É sobre você.

-Você criou esse limite com qual intenção? É o que o seu filho precisa neste momento para se desenvolver, ou é uma necessidade sua?

-Sua intenção com o limite é fazer diferente (e melhor) do que os seus pais fizeram com você? Te doeu tanto que você não quer repetir?

-Quais são as emoções que você vive no exato momento em que está colocando o limite?

-Você está 100% inteira no limite? Isto é, você está 100% certa de que é o melhor para o seu filho? Ou há algum percentual para culpa, raiva, medo?

-Você quer gerar independência no seu filho, mas no fundo tem medo de não ser mais necessária-Tem medo de soltá-lo para a vida?

-Sinceramente, você considera seu filho uma pessoa capaz? Ou você se considera mais capaz do que ele para fazer? 


Se o seu filho ou filha não está seguindo o limite, tenha uma única certeza: há algo no seu mundo interno para resolver. Não é sobre ele. É sobre você.

No momento em que você se autopesquisa, identifica os seus bloqueios e se cura, sabe o que acontece?

Uma mágica. (rs)

A criança segue com fluidez, tranquilidade, naturalidade. Tudo fica em paz.
Em você surge a sensação da plenitude, um bem estar enorme de se perceber fazendo a coisa certa.

E sabe por quê?

O tal do “desrepeito ao limite” era a forma da criança sinalizar que havia ferida sua para ser curada.
Você topou. Fez o trabalho.

E a partir daí, você criou o LIMITE ENERGÉTICO.

O limite energético é o limite que, quando colocado, possui uma qualidade de energia que é: 


- positiva (livre das emoções negativas de culpa, medo, raiva, preocupação);

-firme (estabelece hierarquia, sem oprimir);

-assertiva (vai direto no que a criança precisa, sem rodeios);

-assistencial (visa apoiar o desenvolvimento da criança para além dos seus traumas pessoais).


E é essa a rota que dezenas de mães já realizaram com sucesso pelo trabalho do Mãe Plena. Desatando diversos nós emocionais e construindo limites energéticos bastante assistenciais, positivos, assertivos e firmes. Por isso, te digo: É POSSÍVEL!

O único requisito é que você queira se voltar ao seu mundo interno. Topar o convite dos seus filhos para EVOLUIR JUNTO COM ELES. Com isso, naturalmente transbordará no limite energético. E então terá paz dentro de você, paz na sua casa, e filhos potentes.

Então, a pergunta que te deixo agora é:

TOPA EVOLUIR COM SEUS FILHOS?

O QUE PRECISA OLHAR NO SEU MUNDO INTERNO PARA TRANSBORDAR NO LIMITE ENERGÉTICO?

VAMOS?

Luiza São Thiago

Terapeuta Evolutiva & Criadora do Mãe Plena
Contato: instagram @luizasaothiago / email luizasaothiago@gmail.com / facebook
https://www.facebook.com/luizaterapeutaevolutiva/



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ADAPTAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL

TOQUE AFETIVO

A IMPORTÂNCIA DAS FÉRIAS PARA AS CRIANÇAS