OS FILHOS E O OUTRO

OS FILHOS E O OUTRO
Crianças livremente brincando em um pátio no recreio ou mesmo no quintal de casa. Um prato cheio para diversão e até mesmo para os conflitos oriundos da interação. Existe o egocentrismo inerente à fase de desenvolvimento e a ideia de que “peguei primeiro, é meu!” Existe mãe e pai atentos aos embates na brincadeira como oportunidade de ensinar algo; assim como existem outros que acreditam que tudo é coisa de criança e que acaba se resolvendo.
Os filhos, enquanto seres em formação, estão vivendo no hoje, inúmeras situações, nas quais aprendem desde o nome das coisas até os conteúdos formais, assim como se relacionar com o seu meio.
Podemos ensinar-lhes a colocarem os sapatos além de dar bom dia ao porteiro quando saem do elevador. Dá trabalho, é frustrante e muitas vezes desesperador! Se não há como escapar o que nos resta fazer?
Cabe a nós entendermos a importância do outro. Bakhtin afirma que “somos” a partir do olhar do outro e, por isso, destaca o quanto importante é o sentido das nossas palavras em direção às crianças. A partir das atitudes e de nosso respeito ao outro, nos cabe ensinar aos filhos que liberdade é o direito de agir segundo o seu livre arbítrio, sua própria vontade, desde que não prejudique outra pessoa.
Existe o eu e o outro e, nesse caminho, a interação que podemos estabelecer e que exige regras.  Como as crianças estão assimilando a noção de seu eu e do outro, podemos ensiná-las modos de identificar quando e como devem se portar para seguir a segunda etapa que dura a vida toda: mostrar até onde podem ir no exercício de sua liberdade e das interações.  É uma missão e tanto, sobretudo em tempos de ausência de gentileza e enrijecimento das relações. Nosso caminho é ainda mais complexo pois vivemos em uma sociedade de consumo, do "ter em detrimento do ser", dos valores materiais sobrepostos aos humanos.
O tema muda, mas nossa missão de orientá-los, não. Hoje faremos intervenções sobre uma disputa no play e conflitos entre amigas na escola. E quem sabe ajudando a resolver um mal entendido futuro numa situação de trabalho? Nossa contribuição maior é dar essa ferramenta para as crianças se tornarem adultos mais conscientes e éticos.
Texto fornecido por Educa Para Pais.
Instagram - @educaparapais
contato@educaparapais.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ADAPTAÇÃO EDUCAÇÃO INFANTIL

TOQUE AFETIVO

A IMPORTÂNCIA DAS FÉRIAS PARA AS CRIANÇAS